Feito por Elas #23 Claire Denis

Nesse podcast abordamos a cineasta francesa Claire Denis, que foi criada na África colonial e cujo cinema é conhecido por sua mise en scene cuidadosa e por abordar questões coloniais e pós-coloniais, além de questões sobre a França contemporâneaEla mistura história local com sua história pessoal, rejeitando convenções e questionando a cultura branca dominante europeia. Os filmes abordados foram Chocolat (1988), Bom Trabalho (Beau travail,1999) e 35 Doses de Rum (35 Rhums, 2008).

Os filmes abordados foram Chocolat (1988), Bom Trabalho (Beau travail,1999) e 35 Doses de Rum (35 Rhums, 2008). O programa é apresentado por Isabel Wittmann do Estante da SalaStephania Amaral do site homônimo e Instagram Discos da Ste, Camila Vieira do Sobrecinema e Verberenas e Samantha Brasil do Delirium NerdPartidA Feminista e Cineclube Delas.

Edição: Angélica Hellish

Feedback: cinemafeitoporelas@gmail.com


Feed|Facebook|Twitter|Instagram|Letterboxd

Arte da capa: Amanda Menezes

Vinheta: Mey Linhares

Assine nosso Padrim

Assine nosso Patreon

Veja a arte de Marcos Noriega para o episódio acessando esse link.

Mencionados:

[FILME] Entre Dois Amores (Out of África , 1985) de Sidney Pollack

[FILME] Pai e Filha (Banshun, 1949), de Yasujiro Ozu

[FILME] Café Lumière (Kôhî jikô, 2003), de Hou Hsiao-hsien

[FILME] Five Dedicated to Ozu (2003), de Abbas Kiarostami

[FILME] Morangos Silvestres (Smultronstället, 1957), de Ingmar Bergman

[FILME] The Stopover (Voir du Pays, 2016), de Delphine Coulin e Muriel Coulin

[FILME]  A Odisseia de Alice (Fidelio, l’odyssée d’Alice, 2014), de Lucie Borleteau

[FILME] Até o Último Homem (Hacksaw Ridge, 2016), de Mel Gibson

[FILME] O Que Está Por Vir (L’avenir, 2016), de Mia Hansen-Love

[FILME] Holy Motors (2012), de Leos Carax

[FILME] Romeu + Julieta (Romeo + Juliet, 1996), de Baz Luhrmann

[FILME] Magic Mike (2012), de Steven Soderbergh

[SERIADO] Homeland (2011)

[ATRIZ] Claire Danes

[DIRETORA] Kathryn Bigelow

Recomendações:

[CRÍTICA] “The Stepover”: o protagonismo das mulheres no contexto militar, por Samantha Brasil

[CRÍTICA] “A Odisseia de Alice”: uma marinheira desbravando sentimentos, por Samantha Brasil