SMJ #36 – Famílias do século XXI

O Direito de Família é um dos ramos mais sensíveis às mudanças sociais e alterações culturais. Com uma longa história, o conceito de família foi se modificando radicalmente pelos séculos e o pensamento jurídico acompanhou essa dinâmica através de alterações conceituais e epistemológicas.

Contemporaneamente, o princípio da afetividade é um marco interpretativo bastante relevante para o conceito de família em uma época em que apenas a consanguinidade e a hereditariedade não mais bastam. Com essa alteração, é possível hoje encontrar decisões judiciais que falam em multiparentalidade e formas familiares diversas.

Com o objetivo de entender a dinâmica dessa alteração, o Salvo Melhor Juízo trouxe a sua bancada dois estreantes especialistas no tema: André Carias* e Ricardo Calderon**.

Ouça já!

=========
Indicado no programa:
Livros:
Princípio da afetividade no direito de família – Ricardo Calderon
Cuidado e Afetividade – Tania da Silva Pereira (org.)
Comunicação Não-Violenta – Marshall Rosenbeg
Oficina de Parentalidade Online – http://bit.ly/1RyGW46
Intermitências da Vida – Luiz Edson Fachin
Relatório da American Historical Association – http://bit.ly/2fxLzjh
Filmes e Curtas:
Canoa Quebrada (2013)
Origens
Pequenos Segredos (2016)
Séries:
Amores Livres
Segredos de Justiça
Modern Family
=========
Comentários, sugestões, críticas: [email protected]
Twitter: @SMJPodcast
Facebook: https://www.facebook.com/salvomelhorjuizo/
Instagram: @salvomelhorjuizo
Assine o Feed: feeds.feedburner.com/salvomelhorjuizo
Compartilhe, divulgue, ajude-nos nesse projeto!
Agora o SMJ faz parte da rede de podcasts AntiCast! Acesse: www.anticast.com.br

*André Carias é Juiz de Direito atuante no Núcleo de Conciliação das Varas de Família e Sucessão em Curitiba/PR. Faz mestrado em Direito na Universidade Federal do Paraná e é integrante da direção do Projeto Ser Social mantido pela AMAPAR.
**Ricardo Calderon é advogado e professor especialista em Direito de Família. Mestre em Direito pela Universidade Federal do Paraná, é autor do livro de referência “Princípio da afetividade no direito de família”, editado pela RENOVAR. Foi o representante do IBDFAM no Supremo Tribunal Federal no julgamento sobre Multiparentalidade.